O Passado e O Futuro do Presente

POR CECILIA GIANNETTI

[Esta coluna é prima da de ontem, “Todo mundo junto agora“]

Eu me lembro muito bem da estreia da MTV no Brasil, a terceira versão do canal fora dos Estados Unidos. Em outubro de 1990, poucos dias depois de ela entrar no ar, eu estava sentada, em um dia de semana, horário de aula, assistindo à programação predominante de videoclipes que se repetiam a cada hora quando uma vizinha colocou sua cabeça loira oxigenada pela janela da minha sala para opinar sobre o meu Futuro.

Seu vaticínio era tenebroso: se eu não voltasse imediatamente ao colégio para terminar aquele ano letivo, eu acabaria morando debaixo de uma marquise com um cachorro.

– Não pode ser um gato? Não cresce tanto e eu imagino que a marquise será curtinha e os jornais também não são muito largos. Pra cobrir um pastor alemão, por exemplo, eu precisaria de muito mais espaço e jornais maiores (mal sabia, naquela época, que muitos jornais brasileiros adotariam no Futuro o formato tabloide, ainda mais curtos pra se usar como cobertor).

Ela resmungou alguma coisa sobre mendigos e vira-latas e retirou a cabeça da janela, seguindo caminho até a segunda casa à esquerda da minha, onde mantinha encarcerados dois filhos, alunos da mesma escola, para quem tinha um Futuro bem planejado e a quem fazia cumprir todas as ordens que eu havia driblado naquele outubro de 1990 – tais como: terminar o ano letivo obediente e uniformizada acompanhando todas as aulas, inclusive as extras, nos finais de semana.

Não vou comentar o que aconteceu no Futuro real, o não-calculado milimetricamente pela vizinha, com os seus filhos, porque a web é um campo minado onde todos os fantasmas do passado ressurgem para nos assombrar, especialmente se você pisa num calo deles. Digo apenas que não saiu exatamente conforme o planejado. Não saiu nada conforme o planejado. Embora eles tenham terminado direitinho aquele ano, naquela escola.

Enquanto que eu.

Em setembro eu fiz um dos únicos cálculos em que obtive resultado correto em toda a minha vida. Eu não lido bem com números. Deixo o espaço que ocupariam no meu cérebro para aprender a lidar melhor com as letras (a menos que estas venham acompanhadas de números e sinais como em

et al) e espero que um dia esse esforço alfabético me valha.

Como eu ia dizendo: em setembro daquele ano eu havia calculado as notas que eu precisaria atingir para passar direto em Físico-Química, Física (aulas teóricas complementadas por aulas práticas no Laboratório de Física, ou seja, uma matéria em que, além de não saber calcular as fórmulas corretamente, eu podia explodir a gente), Química, Matemática e Geometria.

Eu era extremamente realista e conhecedora das minhas limitações no que dizia respeito a equações e quetais. E, por mais que eu fosse ruim em cálculo, reconheci que as notas de que eu precisava pra passar eram números inatingíveis. Ainda que eu ficasse o Natal e as férias de janeiro em recuperação, não havia qualquer garantia de que aqueles parcos meses seriam suficientes para implantar na minha cabeça modelos de raciocínio que eu rechaçava inconscientemente por falharem em apresentar um terço do charme das crônicas do Paulo Mendes Campos, que eu tinha acabado de descobrir.

Sem contar que era uma escola com currículo e disciplinamento voltados, desde o Jardim de Infância, inteiramente pra Passar no Vestibular. Eu nem sabia ainda com o que eu iria querer trabalhar mais tarde, bem mais tarde. Não fazia sentido.

E não só isso. Tratava-se da escola mais cara de toda a Ilha do Governador. E quem pagava essa conta, sozinha, era a minha mãe, militante ferrenha da máxima – vocês vão se lembrar da primeira vez em que ouvi isso clicando aqui – “Dinheiro Não Dá em Árvore”, que é uma frase que gente que tem grana de verdade raramente profere sem dar uma risadinha interna.

Se Dinheiro Não Dava em Árvore, que diabos eu estava fazendo naquele estabelecimento dos infernos? A escola era cara mas não era perfeita, com colegas de classe grávidas na adolescência, alunos matando aula para beber e professores que atiravam walkmans e outros pertences de alunos no telhado das Casas da Banha, o supermercado vizinho, pra assustar a gente.

Tudo culpa da vizinha que metia a cabeça pela janela da minha sala pra opinar sobre as nossas vidas:

Talvez porque pensássemos que ela estacionava a Delorean do “De Volta Para o Futuro” na garagem de sua casa e que voltava dos anos 2000 ao presente de 1990 para nos ajudar a corrigir um terrível erro de escolha didática, concordamos com ela quando decretou que o meu Futuro Perfeito estaria garantido se eu estudasse na mesma escola que os seus filhos.

Mas com os resultados do meu cálculo em mãos e a MTV chegando ao Brasil, era o meu momento de argumentar contra a teoria do capacitor de fluxo da vizinha, a sós, com a provedora da casa.

– Eu não vou passar. Você vai torrar uma grana à toa. Em cinco meses começa outro ano letivo. Eu vou pra outra escola, repito de ano. Fim do problema. (Além do mais eu peguei a Delorean da vizinha e vi que em 2010 o químico, historiador e jornalista Andrew Robinson vai lançar um livro afirmando que a escola atrapalha a genialidade. E de qualquer maneira ele diz no mesmo livro que no Futuro nós teremos cada vez menos gênios.)

Durante o meu período sabático aprendi a tocar violão e li livros que me interessavam, além de não ter ficado grávida nem vomitado cerveja quente depois da aula na porta das Casas da Banha. Mas, ei, não estamos aqui para julgar ninguém.

Quando comecei na escola nova, sem a pressão pró-vestibular, aprendi coisas que achava que nunca conseguiria realizar, como a mira perfeita com zarabatana de Bic e bolinha de papel com cuspe e

Ou coisa parecida.

Na hora de enfrentar a prova de fogo para entrar na universidade, passei. E a provedora do lar acabou economizando uma nota preta, do tipo que Não Dá em Árvore.

Meu discurso pra minha mãe foi um pouco diferente daquilo que escrevi ali em cima, mas a essência dele foi preservada. “Quando uma coisa não tem remédio, remediada está.” E a MTV foi um excelente calmante para todos lá em casa entre outubro de 1990 e março de 1991, meu sabático.

Que a VEVO TV, de que falei aqui ontem, possa fazer o mesmo pelas novas gerações, substituindo o Rivotril e a Ritalina desde sua mais tenra idade.