ANA DE AMSTERDAM

O problema que Ana de Hollanda não quer enxergar nessa reforma é que os autores já deixaram de ser donos de suas obras há um bom tempo. Quem detém os direitos musicais de quase tudo no país agora são as editoras, que fazem o que querem com o catálogo dos artistas. Desde deixar na geladeira até fazer coletâneas trash pra faturar mais sem autorização do artista.

Um dos pontos da reforma era justamente essa flexibilização dos acervos e direitos que são intermediados pelas editoras. Se uma obra tem tiragem esgotada há mais de cinco anos e a editora não tem interesse em relançar, o direito volta a ser do autor. E isso é algo que protege bem mais o autor do que meia dúzia de frases soltas que ela lança em entrevistas.

[Jarmeson Lima, jornalista e produtor cultural, membro da equipe do coletivo Coquetel Molotov, sobre entrevista de Ana de Hollanda publicada hoje no Estadão.]