Como ser feliz em dois parágrafos

Conheço uma pessoa feliz. É uma pessoa cheia de não. Ela não tem história, tão quietinha, não tem história. De tudo que viveu, diz apenas que passou. As escolhas que fez modificaram a sua vida mas não imagina nem por um segundo o que poderia ter sido se. E se tivesse tomado outro caminho? Não tomou, e esse pensamento basta. “Tenho gavetinhas na cabeça, esvazio quando não quero mais”.

A pessoa feliz não carrega o passado ladeira acima; prefere assisti-lo rolar até lá embaixo. Age no presente instintivamente, como um cachorro abanando o rabo. Não tem respeito por nada que não seja este instante – o resto simplesmente já foi. Seu papel na história é seguir adiante. A felicidade é assim: aconteceu.