Já tinha desligado o computador. Olho demais pra ele de dia, à noite não quero mais. Desligado, me olhei no espelho. Tosei toda a cabeleira de ovelha, fiquei realmente bem, uma aparição. Ainda tem um montão de cabelo aqui, parece um repolho vermelho, está lindo. Parece o holocausto, como disse a empregada do marcão ao ver o dia nascendo. Pra ela, o holocausto é uma coisa quase indizível de tão bonita. Liguei o micro de novo. Preciso pedir uma coisa, eu sei que alguém vai responder.

Mais ou menos daqui a uns dois meses eu vou querer me mudar. De novo. Dessa vez, não serve mais o Rio de Janeiro. Acho que é SP mas aceito sugestões.