É suja a minha língua, tenho poeira na goela, nos dentes, me escarro pra fora do mundo em que cuspo falando (o vento me devolve a insolência na cara). Tragar e beber por todos os poros a nuvem erguida do mar à noite pode lavar minha lama de sonho.