Elaine raspou a cabeça. A manicure preta. Começou com a fotografia em que aparecia abraçada à filha. Na foto, o cabelo de Elaine era longo e alisado, domado e castanho em vez de espetado e negro como o vi da primeira vez no salão. Ela me mostrou a foto porque sua filha nasceu no mesmo dia e mês que eu. Me perguntou em que dia eu tinha nascido porque me achou uma pessoa interessante. Quis saber meu signo. Ficou surpresa e mostrou logo a foto, abriu a vida, a casinha, a família, crianças e velhos pra mim no colo. Achei bonito o cabelo da foto e ela disse que dava trabalho: precisava raspar todo, esperar crescer e tratar. Não tinha certeza. Eu disse “raspa”. Na semana seguinte, dúvidas e cabelos tinham sumido e ela estava careca porque eu sou uma pessoa interessante.