ser mulher às vezes é de uma bobagem incrível. de um excesso de cuidados que, se ela se esquece de tomar, vira uma criatura suspensa. não é mulher, não é nada. nem ninguém. não está aqui ou ali, está suspensa, sem arquivo, sem história. tudo se apaga, a lembrança de sua beleza desaparece mais rápido do que pode gastar dinheiro no shopping.

que mulher não brilha mais? é triste. gostaria que pudessem, todas, todas. queria ter mãos gigantes.