nem te conto do fracasso. de olhar um amor antigo e dele não guardar motivo que justifique o que chamava de amor. de verter um sonho em papel amassado. de tomar pílulas de tristeza sem mágoa, doce tristeza de quem pode ainda reverter… não pode? torna amarga, depois das onze não sei mais quem é o louco. quero me libertar de vocês. quero fugir de vocês.

que fez escrever, rolar noites quentes e frias de uma mesma estação, esquecer contas e festas. ignorar possíveis outras tantas trepadas que poderiam ter dado em alguma coisa mais que trepadas. quem era você? não sei. finjo que não me importo. você, que era mesmo e que amei, passou por mim como quem vara minha buceta. continua aqui mas não reconheço. que sorriso é este que me dá agora? não sei. não sei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s